Sediña: a multinacional do cânhamo

11/08/2016

 

 

A história da Sediña começa com o sonho de um jovem que queria empreender unindo paixão e profissão. Fabio Bastos, carioca, entusiasta da cannabis, e mais ainda do cânhamo, seguiu para o Uruguai em 2013 para montar a empresa que segundo ele, ‘tomou um rumo que eu nem esperava’.

 

Inicialmente, a Sediña foi fundamental para a própria regulação da cannabis no Uruguai, sendo uma das primeiras a basear suas atividades na maconha legalizada. Formada para ser uma opção no mercado de papéis de fumo, a empresa logo ganhou seu espaço em outras áreas, graças à boa visão de negócios de Bastos, ‘apesar de estar lá no Uruguai, tive problemas com burocracia e com a estrutura da produção do país, então comecei a correr atrás de um lugar onde pudesse desenvolver a minha ideia’.

 

Com uma estratégia fixa de produzir a partir do cânhamo, foi atrás de um local onde a indústria fosse favorável à expansão de seus negócios, chegou até a China. ‘Na China, o governo e a população tem uma cultura em relação ao cânhamo que é totalmente diferente separada da maconha, eles diferenciam bem, porque na verdade, elas são coisas distintas. Com o cânhamo, eu posso produzir de tudo, desde um plástico até uma roupa ou comida, o que eu quiser. Atualmente eu tenho um projeto no ramo da construção civil, o Hempcrete com uma empresa indiana, estamos desenvolvendo casas à partir do tijolo de cânhamo. É uma planta com inúmeros potenciais.’

 

Bastos hoje tem uma parceria firmada com o governo chinês, através do China Hemp Research Center, um centro governamental de estudos sobre o cânhamo, e é responsável pelas tratativas de negócios com parceiros da América do Sul que queiram investir no país chinês.

 

Além disso, a Sediña hoje atua em diversas áreas, desde a linha de tabacaria até tecidos, alimentos e medicamentos. O diferencial da marca é que o montante arrecadado com as vendas de seda e revertido para a área de pesquisa e desenvolvimento da cannabis.

 

Cada uma das atividades da Sediña é desenvolvida em parceria com uma empresa do ramo, sendo elas de diversas partes do mundo. Presente em 18 países na Ásia, Europa e América do Sul, a Sediña é uma das multinacionais de um mercado que se desenvolve exponencialmente a cada dia.

 

Sobre negócios no Brasil, Fabio Bastos diz que ‘é complicado trabalhar no país porque as leis são deficientes, não sabem separar maconha e cânhamo, acham que é tudo a mesma coisa, então é preciso que as pessoas saibam dessa diferença.’

 

A história da empresa e de Fabio Bastos mostra como é ampla a atuação dessas plantas e como o potencial de suas variedades pode ajudar o desenvolvimento de novas alternativas, seja na medicina, na indústria alimentícia e até mesmo, na construção civil.

 

Imagens: Twitter Sediña; Fabio Bastos

 

 

Please reload

gt-banner-quadrado-volta-ao-mundo.gif

destaques

Please reload

nas redes sociais

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon

© 2017 by GanjaTalks

  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square